segunda-feira, 30 de maio de 2011

Os 100 anos da Assembléia de Deus seria o fim do movimento pentecostal?


FRIDA VINGREN
A heroína esquecida 


Os 100 anos de AD seria o fim do movimento pentecostal?

A história do cristianismo sempre foi pautada por grandes e importantes movimentos. Chamamos de avivamento. Esses movimentos sugiram sempre em situações e ambientes específicos, satisfazendo uma necessidade dos cristãos de seu tempo.

Os relatos mais antigos da bíblia colocam seus heróis sempre como reposta ao clamor de suas épocas. Quando a humanidade estava muito mal, surgiu um Noé. Quando o mundo pagão não tinha noção de um Deus que valorizava à vida, surgiu um Abraão que descobre que Deus não aceita sacrifício humano. Quando o povo israelita estava escravo no Egito, surgiu um Moisés. Quando Israel precisava se estabelecer como nação, surgiu um Davi. Quando foram cativos na Babilônia, surgiu um Neemias.

 O cristianismo surge para dar uma resposta coerente de um Deus que ama à justiça e à mensagem de Cristo revolucionou o mundo fazendo uso também de seus diversos movimentos.

E quando essa igreja cristã perdeu com o passar dos séculos o seu foco e juntando-se ao poder e vendia o céu a um preço alto, ouve um novo movimento, a reforma protestante. Foi sempre assim, Deus agiu na historia promovendo avivamentos partindo sempre, da busca por justiça, liberdade e igualdade.

Nos Estados Unidos um filho de escravo assistiu aulas em um seminário, dizem que era pela janela e do lado de fora, não entrava por que era negro, mais tarde na rua Azuza ele deu início ao um movimento chamado de pentecostal, onde a glossolalia era sua maior evidencia, foi lá que passaram os missionários que vieram parar no Brasil, primeiro Luis Francescon um italiano e depois Gurnnar Vingren e Daniel Berg ambos suecos. Note que primeiro foi Francescon e não o contrario como muita gente pensa.  

No Brasil não foi diferente, quando aqui as missas católicas eram celebradas em latim, a liturgia das reuniões luteranas eram em alemão, os anglicanos ministravam seus cultos em inglês e até a primeira igreja pentecostal a Congregação Cristã do Brasil fazia suas devoções em italiano, chegou aqui uma igreja que realiza seu encontros no idioma local, em português, uma instituição voltada para as periferias e as classes mais pobre do nosso pais. É um movimento que da muito certo porque supre uma necessidade do seu tempo.

Hoje essa igreja comemora seus cem anos, com muitas incoerências, eu fico muito a vontade para falar, pois nasci em seu berço, tenho um pai que pastoreou por décadas suas igrejas.

Ainda nas primeiras décadas eles jogaram de lado seus fundadores, em vida nunca foram devidamente reconhecido, Berg viveu no ostracismo, nunca foi consagrado a nada, ele não aprendeu a falar  o português era semi analfabeto, mas era quem trabalhava para sustentar Vingren que sempre teve a saúde frágil e dedicou-se ao estudo do idioma, no cinquentenário deram-lhe uma placa e ele morreu dois anos depois. Vingren sempre muito doente, então sua esposa assumiu a igreja, Frida Vingren, a grande heroína das ADs, foi descartada junto com seu marido e mandados de volta a Suécia, há informações que ela morreu louca em um hospício, pois foi sacada de seu campo de trabalho, seu esposo morreu logo que regressaram a seu país, tinha seis filhos, não é difícil entender o motivo do problema que levou essa mulher a ficar tão doente. Ela não é citada como líder e sua enorme importância é omitida pela igreja, porque nas AD mulher perdeu o valor. Vingren e Berg são lembrados apenas na ocasião do cinquentenário.

A igreja cresceu e muito, tornou-se política, rica e poderosa, os fiéis viraram um cifrão, a instituição passou a ser o bem mais precioso de seus lideres e pessoas foram deixadas pelo caminho.

Meu querido pai foi mal orientado pelos seus mentores assembleianos e dedicou o melhor de sua energia à igreja, deixou a família em segundo plano, doou-se à AD como o melhor que havia nele, implantou igrejas, construiu templos, com recursos próprios, teve como recompensa sua mobília jogada ao relento e sua família chorando, hoje está velho e completamente abandonado por seus páreas.

O fato é que todos os movimentos passam, ficam defasados e os absurdos acontecem, o movimento pentecostal já deu o que tinha que da, foi importantíssimo para sua época, hoje não mais, não adianta AD tentar resgatar o movimento da rua Azuza, pois aquele movimento foi para aquela época e passou.

Quando um movimento começa a se tornar antiquado e não se encaixar com seus dias é o sinal que ele já foi e o Espírito de Deus está disposto a nos conduzir em um avivamento para os nossos dias, na nossa realidade, nas necessidades do nosso tempo.

Não estou falando que a glossolalia é antiquada, haja vista que desde Atos 2 ela aparece em todos os  movimentos da história do cristianismo, até Tomas de Aquino a menciona em sua sumula teológica.
 Falar em línguas pode não ser compreendido de forma natural, quando se olha do natural para o natural é histeria religiosa, mas quando se olha de um plano superior para o inferior, é uma experiência mística autentica. Segundo C.S.lewis, um cão só entende os fatos nunca os símbolos, você aponta a comida o cão cheira seu dedo, não entende que aquilo simboliza, “ali está a comida”, e tem gente assim, com inteligência canina. Olhando de cima para baixo a glossolalia é um símbolo de gemidos inexprimíveis, intimidade com Deus, a comparação mais próxima é a relação sexual, a intimidade mais profunda entre homem e mulher, só que, relação sexual dentro de quatro paredes é linda, em publico, é pornografia, tem muita gente cometendo pornografia espiritual, por isso que Jesus ensina fechar a porta de seu quarto e clamar ao Pai em secreto.

Não faz sentido Assembléia de Deus dizer que são os primeiros pentecostais do Brasil, não faz sentido achar que podem resgatar um movimento de cem anos, não faz sentido querer jogar suas mulheres num estilo de usos e costumes ultrapassados.

Está na hora de ter os ouvidos mais atento ao Espírito, pneuma ou ruah, vento que se move, que não se estagna, que é interativo, é extremamente dinâmico. E assim buscar qual o nosso papel para os nossos dias, quais as nossas carências?

Se todo movimento teve inicio em necessidades, como busca de justiça, igualdade e libertação. Nós cristão temos que nos revoltar com nosso sistema político que é corrupto, nosso sistema econômico que é injusto que distribui fome e morte entre nossas crianças, nosso sistema de segurança que vê as drogas destruindo nossa juventude e não faz nada, nosso sistema religioso que negocia Deus como se fosse produto de feira e a preço de ouro.

Devemos ser atentos ao nosso mundo, à nossa época, à nossa realidade e perceber que existe uma voz gritando por um novo movimento. Vivemos um tempo que clama desesperadamente por justiça, e justiça 
social, direito à vida, o Deus de Justiça espera gente que tenha fome e sede, para Ele nos saciar com uma luta pelo correto, justo e bom. Teremos nosso avivamento, nosso movimento e então os nossos dias não serão perdidos.


 Jessé

2 comentários:

Cirlene disse...

Lindo e chocante, amei!!!!

CLAUDIO ARAUJO disse...

Excelente reflexão. Parabéns.